06 abril, 2006

‘Evangelho de Judas’ dá nova visão sobre traidor de Jesus Cristo


WASHINGTON (Reuters), 6 de abril - Judas Iscariotes, apontado historicamente como o homem que traiu Jesus, estava cumprindo um pedido dele ao entregar o fundador do Cristianismo às autoridades romanas que o crucificaram, segundo um texto de 1.700 anos atrás, apresentado na quinta-feira.
O "Evangelho de Judas", uma versão alternativa aos tradicionais ensinamentos cristãos, mostra o discípulo como sendo o único no círculo íntimo de Jesus que entendia seu desejo de derramar o sangue pela salvação da humanidade.
"Ele é o mocinho neste retrato", disse Bart Ehrman, professor de Religião na Universidade da Carolina do Norte (EUA), em Chapel Hill. "Ele é o único apóstolo que entende Jesus."
A introdução do evangelho diz que o texto é "um relato secreto da revelação de que Jesus falou numa conversa com Judas Iscariotes". Mais adiante no texto, Jesus diz a Judas: "Você vai superar a todos eles [os outros discípulos], porque sacrificará o homem que me veste".
"A idéia nesse evangelho é que Jesus, como todos nós, é um espírito aprisionado, aprisionado em um corpo material", disse Ehrman. "E a salvação vem quando escapamos da materialidade da nossa existência, e Judas é quem lhe possibilita escapar, permitindo que seu corpo seja assassinado."
O reverendo Donald Senior, presidente da União Teológica Católica de Chicago, disse que o documento revela a diversidade e a vitalidade dos primórdios do Cristianismo.
"A questão se torna a seguinte: esta tradição, esta história alternativa, se preferir, no evangelho de Judas diz algo que de certa forma é igual à afirmação rival na tradição do evangelho?", perguntou.
Não se sabe quem escreveu o evangelho de Judas. O que foi divulgado na quinta-feira é cópia de um texto mencionado no ano 180, em um tratado chamado "Contra Heresias", de autoria de Irenaeus, bispo de Lyon (atual França). O tratado fazia acusações a quem retratava Jesus de uma forma diferente da tradição cristã que vinha surgindo.
No Novo Testamento, Judas é apresentado como a essência do traidor, aceitando 30 moedas para apontar Jesus aos soldados romanos. O Evangelho de São Mateus, que faz parte da Bíblia, diz que Judas imediatamente se arrependeu da traição, devolveu o dinheiro e se enforcou.
O Novo Testamento contém quatro Evangelhos - de Mateus, Marcos, Lucas e João. Mas vários outros evangelhos, considerados apócrifos, foram escritos nos primeiros séculos da nossa era, sendo atribuídos a discípulos como Tomás e Filipe ou à sua seguidora Maria Madalena.
ESCONDIDO NO DESERTOEhrman, Senior e outros especialistas falaram sobre o Evangelho de Judas em uma conferência da Sociedade Geográfica Nacional dos EUA, que apresentou a tradução do texto e ajudou na sua autenticação e preservação.
A cópia, encadernada em couro, foi redigida no alfabeto copta (povo egípcio do período sob dominação romana) em ambos os lados de 13 folhas de papiro.
O texto passou a maior parte dos últimos 1.700 anos escondido em uma caverna do deserto egípcio, segundo Terry Garcia, da Sociedade Geográfica Nacional.
O exemplar foi provavelmente copiado de um manuscrito original grego por volta do ano 300, segundo Garcia. Descoberto da década de 1970 perto de Minya, Egito, o livro - que inclui o evangelho e outros documentos - foi vendido a um antiquário egípcio em 1978.
O antiquário o colocou à venda, sem sucesso, e posteriormente decidiu encerrá-lo em um cofre bancário de Hicksville, Nova York, onde passou 16 anos - o que acelerou sua degradação. Em imagens apresentadas na conferência, o papiro se assemelha a folhas marrons de outono. Garcia disse que os papiros haviam se esfarelado em mais de mil pedaços.
Em 2001, a Fundação Maecenas para a Arte Antiga, da Suíça, começou a transcrever e traduzir o texto do copta. Nos anos seguintes, exames científicos - inclusive datação por carbono, análise da tinta e imagens multiespectrais - mostraram que o documento havia sido copiado por volta do ano 300.
O Evangelho de Judas será publicado em livro pela Sociedade Geográfica Nacional, e as páginas do papiro serão exibidas no museu da entidade em Washington, a partir de sexta-feira. No futuro, o volume será depositado no Museu Copta do Cairo.
Por Deborah Zabarenko
Fonte: Click21 notícias

Nenhum comentário: